Passar para o Conteúdo Principal
siga-nos
FacebookRSSadicionar aos favoritos

Museu Municipal Abade Pedrosa

Museu municipal 1 710 9999
Museu Municipal Abade Pedrosa

As primeiras manifestações de carácter museológico documentadas em Santo Tirso tiveram lugar em 1915, momento em que foram expostas, pela primeira vez, no claustro do mosteiro de S. Bento, espécies arqueológicas recolhidas pelo Padre Joaquim Augusto Fonseca Pedrosa.

A ideia de criação de um Museu na cidade, desenvolvida por um conjunto de personalidades da elite intelectual tirsense, teve origem no início da segunda década do século XX, assumindo, a partir desse momento, uma significativa expressão pública, amplamente registada nos jornais locais.

Todavia, não obstante os esforços desenvolvidos, a sua efectiva concretização apenas ocorreu cerca de meio século após a doação da colecção arqueológica do Abade Pedrosa à Câmara Municipal de Santo Tirso, em 1940.

O Museu foi oficialmente inaugurado e patente ao público em 10 de Março de 1989 com uma exposição permanente de arqueologia, tendo vindo a funcionar, desde esse momento, de forma ininterrupta.

Em 1997, no âmbito de uma candidatura comunitária ao Subprograma C do PRONORTE, a exposição permanente foi remodelada, tendo sido criados novos espaços expositivos e implementados novos serviços destinados ao público, nomeadamente, os Serviços Educativos e uma Biblioteca especializada em Arqueologia. Em 2000, instalou-se um auditório com capacidade de 72 lugares.

Atualmente, a sua estrutura é constituída por quatro salas dedicadas à exposição permanente, uma galeria de exposições temporárias, uma sala dedicada aos serviços educativos, um auditório, uma loja/receção, serviços administrativos, um pequeno laboratório e reservas.

A sua atividade incide fundamentalmente em três áreas: a dinamização da exposição permanente, as exposições temporárias e o auditório. A exposição permanente é dedicada exclusivamente à arqueologia tirsense, retratando a ocupação da região, desde a Pré-História à Idade Média. As exposições temporárias subordinam-se a várias temáticas, com destaque para as artes plásticas e a história local. No auditório promovem-se várias atividades de índole cultural relacionadas com a música e com a divulgação do património cultural concelhio.

O edifício

O Museu Municipal Abade Pedrosa encontra-se instalado no piso superior do edifício conventual do antigo mosteiro de S. Bento, concretamente na antiga hospedaria, cuja construção ocorreu no triénio compreendido entre 1737 e 1740, no abaciado de D. Plácido de S. Bento. O edifício é propriedade da Câmara Municipal de Santo Tirso e integra o conjunto patrimonial designado por Mosteiro de S. Bento, imóvel classificado como Monumento Nacional (Dec. 16/06/1910, DG 136 de 23 de Junho de 1910; Dec. n.º 38 491, DG 230 de 6 de Novembro de 1951 e Dec. n.º 28/82, DR 47 de 26 de Fevereiro de 1982).

O Mosteiro de S. Bento foi fundado por Dona Unisco Godiniz no ano 978, e a sua filiação à Ordem Beneditina data de 1092. Atualmente pouco resta do primitivo mosteiro e do seu templo românico. A sua atual traça resulta, em grande medida, das amplas obras realizadas no séc. XVII, dirigidas por Frei João Turriano.

O edifício no qual está instalado o Museu apresenta uma planta rectangular, de desenvolvimento longitudinal, com a mesma orientação da igreja matriz, definindo a face leste do terreiro, cujo topónimo regista o nome do patrono do Museu - Largo Abade Pedrosa. O edifício, de alvenaria de granito, apresenta os paramentos rebocados com uma argamassa de saibro, pintados a branco, mantendo-se, quer no interior quer no exterior, o granito aparente nos elementos estruturantes (caixilharias, pilares, fenestrações, entablamento).

O alçado da face oeste, de dois pisos, revela a continuidade das portas do primeiro andar com as janelas que lhes correspondem no piso térreo, por meio de painéis de recorte serpentino. As janelas do andar superior, mais trabalhadas que as do rés-do-chão, apresentam frontões vazados e interrompidos, delimitados interior e exteriormente por linhas contracurvadas. O alçado leste, mais modesto, apresenta janelas rectangulares, encimadas por frontões trifoliácios, perfurados, interrompidas por pilastras rectangulares, que subdividem os alçados em três tramos de dimensão desigual.

O alçado principal possui um frontão muito realçado, onde se inscreve um monumental brasão da Congregação da Ordem de S. Bento. Os vãos unem-se à exuberância do enquadramento pelo seu forte vigor impressionista. Simétrica à existente na face leste, no lugar da atual porta de entrada do Museu, a enquadrar o brasão, existiu uma outra janela trifoliácia, de igual recorte, destruída em 1842 no decurso das obras de adaptação do edifício para Tribunal e Paços do Concelho, das quais também resultou num pequeno acrescento no topo ocidental, cujas características arquitectónicas desvirtuaram a simetria rigorosa da composição original.

A entrada do edifício faz-se pelo topo ocidental permitindo o acesso a um espaço intermédio, definido por um pára-vento em madeira e vidro, que acentua a separação do interior do exterior. A partir deste espaço define-se o acesso a uma área de serviços que comporta os sanitários públicos e de serviço, o laboratório e parte das reservas.

O interior do edifício estrutura-se a partir de uma ala que percorre longitudinalmente todo o edifício pela face oeste, a partir do qual se estabelece o acesso às diferentes salas, nas quais se encontram instalados os vários serviços do Museu e a exposição permanente.

O piso inferior, adega e celeiro do antigo mosteiro, conserva ainda hoje as suas funções originais. Apresenta uma colunata de pilares retangulares, equidistantes, implantados no terço oeste da nave, de suporte a uma cobertura de abobada de arestas que, aparentemente subdivide a área em duas naves, funcionando uma delas, a mais estreita, como acesso ao restante espaço que se mantém amplo.

A colecção arqueológica

O Museu Municipal Abade Pedrosa possui colecções de Arqueologia de grande interesse patrimonial e relevância científica. Os materiais são provenientes de várias estações arqueológicas do concelho de Santo Tirso e da região envolvente, ora provenientes de trabalhos de escavação arqueológica ora de achados fortuitos, cujo contexto arqueológico, em alguns casos, se desconhece.

Do amplo acervo arqueológico destacam-se os materiais líticos do período Neolítico e Calcolítico provenientes de contextos funerários associados a expressões culturais vinculadas ao fenómeno megalítico; o conjunto de materiais cerâmicos e metálicos provenientes da necrópole do Corvilho, datada do Bronze Médio/Final; o espólio lítico, cerâmico, vítreo, metálico, numismático e osteológico proveniente do Monte do Padrão, cuja ocupação se desenvolve desde o Bronze Médio/Final ao início do séc. XVII; o espólio lítico, cerâmico, vítreo, metálico e numismático proveniente do Castro de Alvarelhos, cuja ocupação aqui representada se desenvolve desde o Bronze Final a meados do séc. V; o espólio cerâmico e vítreo da necrópole galaico-romana de Rorigo Velho e os monumentos epigráficos de S. Bartolomeu e Roriz.

No momento da sua abertura ao público a coleção nuclear do Museu Municipal consistia apenas no conjunto de objetos arqueológicos recolhidos por Joaquim Augusto Fonseca Pedrosa nas últimas décadas do séc. XIX e primeira década do séc. XX, conheceu, em meados do século passado, um significativo incremento com a incorporação do espólio arqueológico resultante das escavações realizadas no Castro do Monte do Padrão, Monte Córdova, dirigidas por Carlos Faya Santarém na década de cinquenta.

Após a celebração do protocolo de colaboração com a Universidade do Minho, cujo propósito consistia em promover o estudo e a conservação do património arqueológico, móvel e imóvel, do concelho de Santo Tirso, teve início uma nova fase de incremento do acervo museológico com a incorporação de materiais arqueológicos resultantes de trabalhos de prospecção e escavação arqueológica.

A criação do Gabinete Municipal de Arqueologia em 1990, cujo funcionamento se efetiva em estreita articulação com o Museu Municipal, permitiu a implementação de projectos monográficos de estudo, salvaguarda e valorização de vários imóveis de grande relevância patrimonial, dos quais se destacam o Castro de Alvarelhos e o Monte do Padrão, cujas escavações sistemáticas proporcionaram um significativo espólio arqueológico que integra hoje o acervo do Museu Municipal Abade Pedrosa.

Informações

Horário

(abril a setembro)

Terça a sexta-feira: 9h00 – 17h30

Sábados, domingos: 14h00 – 19h00

Encerra às segundas-feiras e feriados nacionais.

(outubro a março)

Segunda a sexta-feira: 9h00 – 17h30

Encerra aos feriados nacionais.

Entrada gratuita

 

 

Museu Municipal Abade Pedrosa
Rua Unisco Godiniz, 100
4780 – 373 Santo Tirso

Tel. 252 830400 / Ext. 363/364/370

Sítio web – www.cm-stirso.pt

E-mail – mmap@cm-stirso.pt

Partilhar
ColorAdd Icone